Site da Diocese já tem chat

Site da Diocese já tem chat

No lógica de implementação de funcionalidades que permitam uma maior aproximação com os diocesanos de Leiria-Fátima, o Gabinete de Informação e Comunicação adicionou uma plataforma de conversação ao website. Agora, todos os utilizadores que acedam o site das notícias da Diocese — https://noticias.leiria-fatima.pt — podem comprovar a existência de um novo botão que abre uma janela de conversação. Este botão, é facilmente identificável e situa-se no canto inferior direito do ecrã.

Através desta funcionalidade, os utilizadores podem esclarecer dúvidas, fazer sugestões ou, até mesmo, enviar as suas notícias para publicação nos canais da Diocese.

Esta é apenas mais uma forma de comunicação através daquele canal digital. Muito recentemente, já tinha sido criado um canal de notícias que se serve da aplicação Telegram para publicar, em tempo real, todas as notícias introduzidas no website. Para subscrever, basta aceder a este endereço: https://t.me/leiriafatima

As nossas notícias no seu email

Nota: para garantir a segurança e proteção dos seus dados, deve confirmar a sua inscrição. As instruções estão num email que irá receber. Depois de confirmar, começará a receber emails a partir de info@leiria-faima.pt com periodicidade irregular. A qualquer momento pode cancelar subscrição.
Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Encerramento do mês de Maria na Bajouca

A festa do “encerramento do mês de Maria”, foi sempre uma das festas mais queridas na paróquia da Bajouca, com a oração do terço à tarde, as ofertas a Nossa Senhora e o convívio espontâneo criado à volta desta” festinha”.

Das sombras da memória aos raios luminosos da fé

A pneumónica! Ouvi muitas vezes falar dela a minha mãe, que contava como, para espanto meu, todos os dias percorria, de baixo acima, a aldeia onde nascera, para ajudar, como podia, os doentes, que, em muitos casos, eram todos os membros da família.