Sim

Esta a palavra que convém dizer nestes momentos que o mundo atravessa. Tem sido uma palavra esquecida, desprezada até, por estar conectada com a obediência, o compromisso e a fortaleza, conceitos que as ideologias e políticas dos dois últimos séculos nos têm levado a esquecer e abandonar. Venho em sua defesa.

Sim. É chegado o momento de a reabilitar. Esta é uma palavra com futuro. Sempre que a humanidade se enfrenta com uma nova aventura, com um perigo, com uma … pandemia, é bom dizer sim. Não é obrigatório, que as coisas boas não são obrigatórias, mas os resultados são melhores quando se diz sim.

Também comecei há dias a tomar mais consciência de dizer sim. Comprometi-me a obedecer às orientações dos médicos e das autoridades, sigo as normas de higiene e comportamento aconselhados, mas procuro ir mais além. Aproveito esses momentos para pensar no meu sim e procurar torná-lo mais dinâmico e abrangente. O dinamismo refere-se a mim, é pessoal: devo ir pensando, pondo em prática, exercitando-me e, se der bons resultados, comunicá-lo.

Sim, é uma palavra que se pronuncia para manifestar assentimento ou concordância: é usada para fechar contratos, para afirmar a verdade de algum facto, para concordar com um desejo ou iniciativa, para aceitar uma tarefa ou missão… Contrariamente ao não, que é uma palavra final, isto é, que põe fim às questões, diálogos, relações… o sim é a palavra da continuação, da criatividade, da busca de soluções, do compromisso da entrega, da identidade.

Sim é a palavra mais solene. É aquela que se pronuncia no momento do matrimónio ou de outra vocação. É desse modo, resoluta e firmemente (como é próprio da generosidade da juventude), que desejo afirmar o meu sim, a minha sujeição às normas ditadas para travar o avanço do surto desta devastadora gripe. Não sou a única, mas sou eu. Quero identificar-me, nesta vontade, com os meus concidadãos, com os meus compatriotas, com todos os povos.

O dia 25 de março devia ser chamado o dia do SIM, pois festeja-se o sim mais poderoso jamais proferido por criatura humana. Refiro-me ao momento da Anunciação do Arcanjo S. Gabriel à Virgem Maria. O SIM da Senhora levou-a a integrar o projeto divino de salvar a humanidade do pecado. O seu Sim valorizou-se por ter sido dito e vivido em plena liberdade, como tu e eu, caro leitor desejamos fazer agora, até que este mal passe.

Unimo-nos também em oração por quantos estão infetados ou doentes, e pelas almas daqueles que já sucumbiram. Um Sim não termina com a vida terrena, tem valor de eternidade.

Vale a pena vivermos momentos destes para compreender o valor do SIM.

Isabel Vasco Costa
Isabel Vasco Costa
Colaboradora da REDE.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Esperança, sinais e efeitos do Codiv-19

A pandemia leva tanta gente a abraçar e fazer coisas diferentes e melhores. Os estudiosos têm campo imenso para avaliar esses efeitos sobre os indicadores da saúde, poluição, corrupção, prática religiosa, progresso progressista mal parado e mais mortífero, questões fraturantes.