Retiro 24H: uma jornada para jovens em quatro assaltos

Retiro 24H: uma jornada para jovens em quatro assaltos

Vinte e nove de março de dois mil e dezanove. Nove jovens. Vinte e quatro horas. Um seminário-base com corredores labirínticos. Um kit de sobrevivência. Uma missão: escolher O essencial!

À chegada, um cronómetro em contagem decrescente. No final de uma semana que tantos de nós passamos a correr, na tentativa de chegarmos a tudo o que julgamos indispensável, somos lembrados de que aquelas vinte e quatro horas são o tempo para ter tempo.

Após o jantar partilhado, a primeira reunião de grupo, na qual nos é dado a explorar o kit de sobrevivência que reúne o necessário para o cumprimento da missão que nos está confiada. Aí, encontramos um pequeno envelope com grandes ajudas para a nossa vida de oração: Como rezar? E de que maneira? Explicações; sugestões; desafios; nomes estranhos, porventura desconhecidos para alguns de nós… que se aprendem fazendo! Junto ao envelope, uma cruz, símbolo dos cristãos por excelência, lugar do amor, lugar onde Jesus entregou a vida para que nós tenhamos a vida. Do kit consta ainda um diário espiritual, no qual somos desafiados a anotar as nossas vivências, a partir do olhar de Deus. E porque somos corpo e espírito em missão, não falta um pequeno lanche para revigorar forças, nos momentos em que o sentirmos necessário.

Primeiro assalto

Ainda sem nos ser desvendada a totalidade do plano a executar, somos desafiados a empreender o primeiro assalto da noite: a participação no Shemá, a decorrer na Igreja do Espírito Santo. A reunião e oração partilhada com tantos outros jovens e pessoas da nossa comunidade, rostos mais ou menos familiares, a lembrar que a fé se faz de encontros e cresce pelos encontros.

De regresso à base, somos convidados a partilhar os motivos que nos conduzem ali. Com as nuances próprias das vivências de cada um, uma marca comum: a correria do dia-a-dia, a mesma com que nos tínhamos deparado, um a um, com o cronómetro em contagem decrescente, precisa de um sentido.

Segundo assalto

Encorajados pelo apelo que o Papa Francisco dirige a toda a Igreja de, nos dias em que ali nos encontramos, viver um momento mais intenso de oração e de adoração, uma oportunidade de escuta orante da Palavra de Deus e de celebração do Sacramento da Reconciliação, levamos a cabo o segundo assalto. Aquele que começa como um momento de oração em grupo, prolonga-se durante a noite. Hora após hora, em pares, adoramos, contemplamos, meditamos, escutamos, cantamos, pedimos, agradecemos. Colocamo-nos diante de Deus, tal como somos e estamos, sem reservas. Presas a balões, elevamos as nossas intenções ao alto e rezamos uns com os outros e uns pelos outros, mesmo nos momentos que que somos vencidos pelo cansaço! Uma noite para confirmar que, juntamente com os milhões de cristãos que se associam à mesma iniciativa, nas mais variadas partes do mundo, somos corpo de uma Igreja que se quer viva e vivificante.

Terceiro assalto

Novo dia, nova proposta. Desta vez, através de um testemunho pessoal, fazemos a revisão do plano estratégico da nossa própria vida e reconhecemos até que ponto temos ou não feito, da nossa vida, uma vida orante.

O terceiro assalto leva-nos numa caminhada pelo exterior, conduzida pela voz de Maria, ao longo da qual somos levados a percorrer os passos da paixão e morte de Jesus, acompanhando Aquele que deu a vida por nós e aprendendo d’Ele o “caminho da cruz”; tornando-nos solidários com os outros, como Jesus o é connosco.

Quarto assalto

A tarde avança e, no regresso à base de operações, novo testemunho pessoal, no qual somos confrontados com a realidade da nossa condição humana: a imperfeição, a nossa natureza frágil e pecadora. Mas se é verdade que o pecado habita em nós, é também verdade que ele não nos define. Não pode definir-nos, porque a misericórdia de Deus é maior do que qualquer pecado; porque a todo o momento, nos é dada a oportunidade de reconhecer, aceitar, perdoar e recomeçar. E uma vez mais, também aqui, nos é dada a hipótese da reconciliação connosco, com os outros, com Deus.

O quarto assalto leva-nos a abandonar pela última vez a base. Reunidos à comunidade da qual somos parte, integramos o momento das “24 Horas para o Senhor” dinamizado pela pastoral juvenil da diocese, na Igreja do Espírito Santo. E porque se trata de escolhermos o essencial, o derradeiro assalto não poderia ser outro que não a participação na eucaristia, ao encontro do alimento que nos mantém em caminho.

Percebemos que estar em missão é também saber que não caminhamos por nós mesmos e que, em cada passo, há outras pessoas no mesmo caminho, sem as quais não conseguiríamos ser ou estar. Cada um de nós, ainda que de maneira distinta, é chamado a um mesmo amor. Cada um de nós tem milagres à sua espera, mas tem também dificuldades, tentações e desafios que por vezes parecem maiores do que nós. “A missão faz-se no plural”, somos relembrados à despedida e, voltando ao kit de sobrevivência, é feita menção ao guia que nos servirá de apoio à “Missão 2.0”, aquela para a qual somos convocados no dia-a-dia.

Durante estas vinte e quatro horas, poderíamos ter estado noutros sítios, poderíamos ter respondido a outras solicitações, poderíamos ter ouvido outras pessoas, poderíamos ter-nos distraídos com outras diversões. Mas escolhemos estar aqui. Escolhemos O essencial. E no essencial, uma certeza nos fica: há missões para as quais vinte e quatro horas não chegam; missões que são para ser abraçadas com a vida, assim, vinte e quatro horas de cada vez.

Jacinta Baptista
Jacinta Baptista
Membro da equipa do Serviço Diocesano de Pastoral Juvenil
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...