Editorial Rede 9

Um dos temas em destaque desta semana é a comemoração do dia de BP que, este ano, se realizou nas freguesias da Memória e das Colmeias por organização do Agrupamento 1346.

Dentro deste destaque, parece-me oportuno fazer um outro, como quem tira uma matrioska de dentro de outra maior. Lembrei-me que, entre os muitos agradecimentos que normalmente se fazem nestas ocasiões, houve espaço, vários espaços até, para agradecer aos pais dos escuteiros. Num dos testemunhos é evidente que, se não fossem eles, os pais, não seria possível a existência do escutismo na nossa e noutras dioceses.

Não é que não seja uma constatação do óbvio, mas nunca será demais recordar e lembrar a importância que os pais têm na formação da cidadania dos próprios filhos. Será uma verdade lapilissiana não fosse, vendo assim à distância, o pormenor de haver aquela, não rara, espécie de progenitores que relegam a responsabilidade da educação para organizações como o Corpo Nacional de Escutas. E quem diz o CNE, diz a catequese, por exemplo, que tantas vezes funciona como repositório de fim-de-semana para a prole que precisa de mais uma atividade de tempos livres. Portanto, temos os pais merecedores de elogios, porque fazem o que, simplesmente, deve ser a sua obrigação, e temos aqueles a quem não ficaria mal sentarem-se de castigo na cadeira do canto por estarem a relegar para segundo plano a sua responsabilidade de pais.

Outro destaque é, certamente, o início do tempo quaresmal. Para alguns, um tempo que se estranha. Até nestas coisas da Igreja o medo da austeridade faz as suas mossas. Todavia, não é de jejum nem de abstinência que se trata quando se trata destes quarenta dias que antecedem a obra maior de Deus. O nosso Bispo terá a resposta para explicar o tempo da Quaresma:

A Quaresma, abrindo-nos os olhos à amarga realidade nua e crua do mal, oferece-nos também o remédio doce e eficaz da conversão e do perdão, para restaurar a nossa fisionomia e o nosso coração de cristãos. (Mensagem da Quaresma, 2009)

Se estivermos atentos à expressão do D. António, vemos nela a plasticização da função quaresmal que pretende, para além de uma transformação interior do coração, um novo vigor que é exteriorizado pela fisionomia do cristão. Quer isto dizer que, ser cristão, vê-se. O cristão exterioriza, através do seu semblante, a alegria que lhe advém do Cristo ressuscitado.

A Quaresma é, portanto, tempo para investir na alegria do cristão.

Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Editorial Rede 25

Quando os 72 discípulos foram enviados por Jesus, aos pares, sem mais nada senão a roupa que traziam vestida, as sandálias e,

Editorial Rede 24

Já é um lugar comum dizer que temos Fátima aqui tão perto e não lhe damos o valor devido. É daqueles casos

29 de Junho — 9h30 > 18h00
Aula Magna do Seminário Diocesano de Leiria