Editorial Rede 4

No encontro do D. António com os jovens da vigararia da Marinha Grande e que é destaque nesta edição, chamou a atenção dos presentes o vídeo que foi mostrado no início e que introduziu o tema do biénio pastoral.

Numa realização simples de cerca de 13 minutos, sucedem-se entrevistas com respostas curtas, feitas a jovens, alternadas com excertos da carta que o Bispo escreveu para orientar a pastoral destes dois anos. Tudo normal, não fosse o facto de… ter qualidade. É suposto ter qualidade, pois é. Mas a verdade, é que esse é um problema recorrente da Igreja atual, que nem sempre prima pelo brio e pela dedicação profissional que deveria colocar em tudo que faz. Parece que existem alguns anticorpos a tudo o que junte na mesma frase “profissionalismo” e “Igreja”, talvez por estar associado a contrapartidas financeiras.

No já longínquo Ano Internacional do Voluntariado ocorrido em 2001, ficou-me na memória a frase: o voluntariado tem que ser feito com profissionalismo. Aplicado aos dinamismos eclesiais, o tom mantém-se: os agentes da pastoral devem ser competentes e responsáveis; isso é que é sinal de compromisso. Não tenhamos ilusões: a Providência Divina nunca fará questão de interferir nesta área.

Num tempo em que os avanços tecnológicos aliados ao acesso democratizado à informação são uma evidência e uma normalidade, é motivo de reflexão a Igreja — todos os batizados, sem excepção — não apostar ainda mais, mais vezes e com mais força, na qualidade. Não nos podemos contentar em fazer o melhor que sabemos, porque esse melhor, fica, não raras vezes, aquém do que deve ser exigível. Esta constatação é transversal a todos os setores da vida eclesial. Imagina-se que a razão esteja na falta de recursos humanos convenientemente preparados ou, então, é culpa da falta de tempo. Como já dizia a canção: “quase ninguém tem tempo”. Um argumento que se apresenta invariavelmente antes de sequer fazer o esforço necessário para dar o salto que transforme uma tarefa ou uma atividade em valor acrescentado. Dizem também que a qualidade custa dinheiro. Não: o brio e o empenho não custam dinheiro; são exigentes, mas não custam dinheiro. Custam, ponto.

No biénio dedicado aos jovens, temos uma oportunidade de ouro para dar esse salto qualitativo. A inovação e a criatividade, bem como o atrevimento para sair fora da caixa, próprios dos mais novos, são o ponto de partida que nos pode trazer histórias com finais muito felizes. Foi o próprio D. António Marto que disse que “temos de ter oferta de qualidade para a caminhada de fé dos jovens”.

Nota: para usufruir de todas as potencialidades de interatividade da REDE, deve descarregar o PDF e visualizá-lo em programa leitor de PDF que não um navegador.

Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Faz sentido

A conferência que o padre Nuno Tovar de Lemos fez por ocasião do Fórum “Jovens: Oportunidades e Desafios” que a Diocese organizou

Como viver a doença na fé?

Uma pessoa minha amiga, amargurada com a doença grave de um familiar ainda jovem, perguntou-me “que conforto se pode dar nestas situações

Este site usa cookies para assegurar uma melhor experiência de navegação.