Piarte a materializar sonhos dos pioneiros de Leiria-Fátima

Piarte a materializar sonhos dos pioneiros de Leiria-Fátima

“Sonhar e materializar uma ideia que se projetou…” foi com estas palavras, que Leonel Fernandes, Chefe de Campo da III edição do Piarte, resumiu o que foi esta atividade dos escuteiros da Região de Leiria-Fátima, que se realizou junto à Lagoa da Ervedeira, entre os dias 28 e 30 de junho, com elementos de Arrabal, Cruz da Areia, Marrazes, Parceiros, Souto da Carpalhosa e Vieira de Leiria.

Foto de Magno Bonifácio

O que é o Piarte

O Piarte é uma atividade para pioneiros, escuteiros com idades compreendidas entre os 14 e os 17 anos, e que teve como objetivo o desenvolvimento da técnica Escutista. Para isso, estes jovens foram desafiados a elaborar um projeto sobre a construção que pretendiam realizar, e após submissão a um júri, os 10 melhores projetos foram selecionados para participar nesta atividade. Esta III edição teve como mote a construção de jangadas navegáveis, as quais tiveram de superar vários critérios, desde logo a flutuabilidade e navegabilidade, mas também a criatividade e originalidade na sua conceção. Foi num terreno anexo à Lagoa, e com o apoio da Junta de Freguesia do Coimbrão e da associação “Grupo de Amigos da Lagoa da Ervedeira”, que foi montado um acampamento, com serviços como: Intendência, Segurança, Saúde, e Rádio de Campo, que assegurou a animação e boa disposição constantes durante todo o tempo. Cada equipa de escuteiros instalou ainda o seu próprio “estaleiro” para a construção destas originais jangadas.

Construir jangadas

Os dias 28 e 29 foram dedicados à construção e ao teste das jangadas na água, e no dia 30 realizou-se a grande prova. O tempo não quis facilitar, e a manhã do domingo surgiu tímida e envergonhada, com o vento a soprar…forte, de tal forma, que algumas das robustas jangadas, foram empurradas para fora do percurso previamente definido pela equipa organizadora. Foi preciso a sempre pronta intervenção dos bombeiros voluntários da Vieira de Leiria, que também estiveram no local a apoiar a iniciativa, para as fazer rebocar e trazer para o ponto de partida.

Das margens da Lagoa, as várias dezenas de pais e também alguns habitantes locais, que sabendo da iniciativa, compareceram para ver e “puxar” por estes intrépidos marinheiros.

Acabou por ganhar a prova, a equipa do Souto da Carpalhosa, mas no Piarte, todos foram vencedores, pela forma como encararam o desafio e souberam arregaçar as mangas para o concretizar e superar.

António Poças, elemento do júri e antigo chefe regional, disse-nos que “a atividade foi fantástica, destacando a envolvência e motivação que os escuteiros demonstraram na conceção das suas jangadas”. Perspetiva ainda que “esta atividade tenha bastante futuro, podendo evoluir no sentido de evocar ainda mais o aspeto técnico e criativo das construções realizadas”.

Esta atividade realizada em pleno espaço da Lagoa da Ervedeira foi também uma oportunidade de trazer um colorido e animação a um dos locais ex-libris do município de Leiria e que continua à espera de um olhar mais atento que lhe devolva uma imagem diferente daquela que se vê, um horizonte preenchido de riscos pretos apontados ao céu.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Este site usa cookies para assegurar uma melhor experiência de navegação.