O “Tubo de Ensaio” chegou ao fim, mas promete voltar

O “Tubo de Ensaio” chegou ao fim, mas promete voltar

Decorreu no sábado, dia 8 de fevereiro a última sessão da formação “Tubo de Ensaio – Formação sobre música, liturgia e pastoral juvenil”. O “Tubo de Ensaio” foi mais uma proposta do Serviço Diocesano de Pastoral Juvenil (SDPJ) para este biénio pastoral dedicado aos jovens e surgiu porque compreendemos que a música é um dos veículos privilegiados pelos quais os jovens mantêm um vínculo às comunidades cristãs e, por conseguinte, a música torna-se uma oportunidade de evangelização. Isto acontece com a música em geral, mas com a música litúrgica em particular.

Nesse sentido, o SDPJ propôs três sessões de formação em três manhãs de sábado, dinamizadas por vários formadores. Iniciou-se com uma sensibilização para a compreensão da interpretação da música na liturgia como um verdadeiro ministério, uma missão que leva o jovem a corresponder com gratidão aos dons que Deus lhe concedeu. Ainda na primeira sessão o padre André Batista ofereceu aos formandos uma perspectiva geral sobre os ritmos da linguagem que a liturgia adquire: tempos litúrgicos, compreensão dos vários momentos, gestos, palavras da liturgia eucarística.

Na segunda sessão o padre Seixas, padre da diocese de Viseu, capelão do Santuário de Fátima, ajudou a compreender a razão de ser da presença da música em cada momento da liturgia e quais os critérios a seguir para a escolha dos cânticos. Complementando esta formação, esteve presente a Márcia Vieira, uma jovem da nossa Diocese que partilhou os passos que dá quando tem de preparar uma celebração: conhecer as leituras, o tempo litúrgico, o espaço da celebração ou a necessidade de adequar a forma de cantar e tocar à celebração e ao local em causa.

Finalmente, na terceira e última sessão tivemos connosco um painel composto por três jovens, de três áreas da música que se complementaram e ofereceram uma visão aberta e ao mesmo tempo assertiva da forma como lidar com a música na liturgia. O Marco Pinheiro partilhou a sua experiência na liderança de grupos corais. A Diana Costa, além de chamar a atenção para os cuidados a ter com a voz e com a interpretação vocal, partilhou a sua sensibilidade como cantora, guitarrista, compositora e terapeuta musical. O João Santos, organista de renome e compositor, fez a sua exposição sobre a presença e conjugação dos instrumentos na liturgia.

Foi unânime a avaliação positiva e proveitosa desta proposta, mas ao mesmo tempo o SDPJ acolheu o desafio para que este seja apenas o primeiro de mais “Tubos de Ensaio”, podendo os próximos ter uma orientação mais prática e concreta.

André Batista, P.
André Batista, P.
Diretor do Serviço de Pastoral Juvenil.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...