No dia de Santo Agostinho, o Museu de Leiria apresenta uma leitura encenada das “Confissões”

No dia de Santo Agostinho, o Museu de Leiria apresenta uma leitura encenada das “Confissões”

No âmbito das comemorações do dia de Santo Agostinho, padroeiro da diocese de Leira-Fátima, a ter lugar no próximo dia 28 de agosto, o Museu de Leiria vai apresentar a leitura encenada de excertos das “Confissões de Santo Agostinho”. Este evento artístico será realizado pelo grupo Teatro Maizum com o acompanhamento musical ao vivo feito por Rão Kyao, no Claustro do Convento de Santo Agostinho, pelas 22h00.

Esta leitura é antecedida de uma visita guiada ao Convento de Santo Agostinho que iniciará uma hora antes. A entrada é gratuita, mas condicionada à disponibilidade de lugares no espaço. Para reservas e outras informações, podem ser utilizados os seguintes contactos: museudeleiria@cm-leiria.pt ou 244 839 677.

O Teatro Maizum

Fundado em 1982, o Teatro Maizum sob a direção de Silvina Pereira tem desenvolvido um projecto artístico que estabelece uma inter-relação entre a investigação académica e a criação artística, encenando dramaturgias singulares realizadas a partir de grandes autores da literatura e da poesia portuguesa, como Luís de Camões, Padre António Vieira, Almeida Garrett, Eça de Queirós ou Florbela Espanca, entre outros. Também autores do teatro clássico português têm vindo a ser pela primeira vez encenados, como é o caso de Jorge Ferreira de Vasconcelos e outros, cujas obras têm vindo a ser conhecidas mediante a organização regular do programa “Clássicos em Cena”. O Teatro Maizum tem também estabelecido pontes com outras culturas, através de projectos como: “Vozes Ibéricas” com o Instituto Cervantes, “O tempo dos lírios – Cultura Europeia” com o Espaço Europa, ou “Lusitânia Teatral” com apresentação, no Teatro Romano de Lisboa, de “A Paz” de Aristófanes (2016) e “O Misantropo” de Menandro (2017).

Rão Kyao

Rão Kyao é músico, flautista e saxofonista e tem estabelecido relações, ao longo dos anos, entre a “tradição musical portuguesa” e o Oriente. Editou, até hoje, cerca de 18 fonogramas, como: “Malpertuis” (1976), “Bambu” (1977), “Goa” (1979), “Ritual” (1982), e “Fado Bailado” (1983) juntamente com António Chaínho. Em “Estrada da Luz” (1984) e “Oásis” (1986) voltou à flauta de bambu, demonstrando as afinidades entre a “música tradicional portuguesa” e a “música indiana”. Ainda nos anos oitenta, editou “Macau O Amanhecer” (1984) e “Danças de Rua” (1987), inspirado na riqueza rítmica da música feita no nordeste brasileiro. Em “Viagens na Minha Terra” (1989) ou “Viva o Fado” (1996), voltou a cruzar a música portuguesa com as suas origens, e em “Delírios Ibéricos” (1992) incrementou os laços com a experiência musical ibérica. Nos anos noventa editou “Águas Livres” (1994) e “Navegantes” (1998) potenciando a ligação entre a música feita entre Portugal e o Oriente (sobretudo Macau), e “Junção” (1999), acompanhado pela Orquestra Chinesa de Macau. Em “Fado Virado a Nascente” (2001), acompanhado pela fadista Deolinda Bernardo e pela cantora Teresa Salgueiro, no tema “Deus Também Gosta de Fado”, o músico propõe de novo uma outra abordagem. Os mais recentes são “Sopro de Vida – Ao Ritmo Da Liturgia” (2010), “Coisas que a Gente Sente” (2012) e “Em Melodias Franciscanas” (2012).

Nota biográfica de Santo Agostinho

Santo Agostinho nasceu em Tagaste, na atual Argélia, a 13 de novembro de 354 e faleceu a 28 de agosto de 430 em Hipona, na Argélia moderna. Começou a ensinar gramática e retórica em Roma e em Milão, e converteu-se ao cristianismo por influência de sua mãe (Santa Mónica), tornando-se mais tarde Bispo de Hipona. Como escritor dedicou-se à filosofia e à poesia. “A Cidade de Deus” e “Confissões” são duas das suas principais obras, onde versa sobre a luta contra as heresias e sobre a conversão ao cristianismo. As suas obras seriam muito influentes no desenvolvimento da filosofia ocidental e do cristianismo. Foi nomeado ”Doutor da Igreja” e é considerado um dos mais importantes filósofos do início do cristianismo.

GIC - Gab. Informação e Comunicação
GIC - Gab. Informação e Comunicação
Este serviço diocesano é responsável por promover a comunicação entre as diversas instâncias da Igreja diocesana, nomeadamente através da produção e divulgação das suas notícias. Todos os contactos, informações e sugestões devem ser dirigidos para gic@leiria-fatima.pt.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Este site usa cookies para assegurar uma melhor experiência de navegação.