Ninho do Corvo vai entrar em obras e convida escuteiros para ajudar

Ninho do Corvo vai entrar em obras e convida escuteiros para ajudar

O Ninho do Corvo, espaço de acolhimento da região escutista de Leiria-Fátima, situado em Leiria, está em obras de reabilitação. Neste espaço, que é propriedade do CNE sob administração da Junta Regional de Leiria-Fátima, pretende-se que seja um espaço de acolhimento de atividades escutistas e de outros movimentos de juventude, por forma a proporcionar oportunidades educativas, bem como colocar-se ao serviço da comunidade.

2018-06-22 cne casa1

Para alcançar o seu propósito, as obras no Ninho do Corvo recomeçam a partir de 8 de novembro. Todas as sextas-feiras os caminheiros, escuteiros com idades compreendidas entre os 18 e 22 anos, são convidados a inscrever-se para participar e colaborar na reconstrução deste espaço.

Para se inscreverem basta enviar um e-mail para: ninhodocorvo@escutismo.pt, informando a sexta-feira em que estão disponíveis e o número de elementos que participam.

A equipa regional responsável por este espaço de acolhimento, agradece desde já a todos os que se mostrarem disponíveis para pôr mãos à obra.

As nossas notícias no seu email

Nota: para garantir a segurança e proteção dos seus dados, deve confirmar a sua inscrição. As instruções estão num email que irá receber. Depois de confirmar, começará a receber emails a partir de info@leiria-faima.pt com periodicidade irregular. A qualquer momento pode cancelar subscrição.
GIC
GIC
Gabinete de Informação e Comunicação. Todos os contactos, informações e sugestões devem ser dirigidos para gic@leiria-fatima.pt.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Escutismo com o Banco Alimentar em tempo de pandemia

A região escutista de Leiria-Fátima irá participar nesta campanha, pelo que convidamos a que consulte o agrupamento de escuteiros da sua localidade, de modo a que, neste momento de tão grave fragilidade social, possamos colaborar com o Banco Alimentar e assim contribuir para o bem comum.