ENDIAD 9 & 10: Desafio superado com 700 participantes

ENDIAD 9 & 10: Desafio superado com 700 participantes

O dia acordou soalheiro, convidativo para viver um dia diferente. E foram cerca de sete centenas os que saíram cedinho de casa para «O desafio de ser Igreja», o ENDIAD 9 & 10 – Encontro Diocesano de Adolescentes do 9º e 10º anos da Catequese – da diocese de Leiria-Fátima. Ainda não eram 9 horas e já começavam a chegar ao Centro de Exposições de Ourém os primeiros grupos para dar início à atividade.

Contas feitas, com algumas baixas provocadas pelo receio do novo coronavírus, às 9h30 já estavam a circular pela cidade 77 grupos, provenientes de 29 paróquias da Diocese, num total de cerca de 580 jovens e 120 adultos, mais um grupo de catequistas a animar os postos da manhã que tinham como pano de fundo a viagem de Paulo para Damasco.

Toda a atividade foi vivida com a história da conversão de São Paulo como fundo: o texto dos Atos dos Apóstolos foi o ponto de partida para a preparação da atividade nos grupos, nas paróquias, durante a qual deviam fazer também as suas pedras e estandartes. E foi assim que, tal como Paulo partiu para Damasco com a sua vontade de levar presos todos os cristãos que aí encontrasse, também os jovens partiram neste caminho que os levou ao Marco dos Medos, à Subida das Perseguições, à Curva das Dúvidas e Questões, à Rampa da Vergonha, e à Reta das Certezas. Pelo meio, o desafio de conhecer São Paulo: 10 pontos de passagem para descobrir um pouco mais sobre o grande Apóstolo recorrendo às novas tecnologias.

O caminho de Damasco foi interrompido, para Paulo, pelo encontro com Cristo ressuscitado. O mesmo que aconteceu com os participantes no ENDIAD que, ao final da manhã, viveram o encontro com o Ressuscitado na celebração da Eucaristia, presidida pelo Sr. D. António Marto. Na homilia, o Sr. Bispo convidou os jovens a serem “pedras vivas”, trazendo à Igreja a alegria da sua presença e vida. Mesmo com as dúvidas e questões, é preciso arriscar o encontro com a pessoa viva de Jesus Cristo, porque a nossa fé, salientou D. António Marto, é o seguimento de uma pessoa, é uma relação, vive-se no encontro, com toda a beleza que isso traz à vida: ser cristão não é uma questão de teoria, de regras, de imposições ou de medos, mas um encontro alegre com Alguém que dá sentido à vida.

Durante a celebração, cada grupo partilhou a sua pedra do grupo, deixando-a junto ao altar, simbolizando também a vontade de ser pedras vivas, com a ajuda uns dos outros, tal como Paulo teve a ajuda do grande catequista que foi Ananias, que o ajudou a recuperar a vista e encontrar o caminho a seguir, assentes sobre a Pedra Angular que dá fundamento a toda a Igreja, que é o próprio Jesus Cristo. A animação da celebração esteve ao encargo do Coro Diocesano de Jovens.

Depois do tempo para o “farnel”, as atividades da tarde levaram os grupos ao encontro de diversas dimensões do “Desafio de Ser Igreja”, percorrendo os “Caminhos de vida e serviço”. Nos três postos que cada grupo tinha para completar, foi proposto o encontro e testemunho de jovens e adultos que vive em Igreja as dimensões do Serviço e da Caridade, do Anúncio e Testemunho da Palavra, e da Celebração da Fé. Estiveram envolvidos nestas propostas elementos da Conferência São Vicente de Paulo, da Cáritas Jovem, dos monitores das Colónias de Férias da Cáritas, do Movimento Católico de Estudantes, dos Agrupamentos de Escuteiros do CNE, dos Acólitos, Leitores e Ministros Extraordinários da Comunhão, da Pastoral Familiar, missionários do Grupo Ondjoyetu e dos Jovens Sem Fronteiras, dos Convívios Fraternos, da Catequese e da Pastoral Juvenil.

A terminar, um tempo de festa. Após a mensagem do “Pedro” que agradeceu a presença de todos os que aceitaram o seu convite para estarem ali, e desafiou a todos para continuarem o seu caminho de buscas e de envolvimento na vida das comunidades, o grupo Alpha animou um tempo musical que foi conduzindo até ao momento em que cada grupo foi buscar uma nova pedra para levar para a sua paróquia, e uma pequena recordação deste dia. O desafio final foi lançado: agora é tempo de cada grupo, a partir de tudo o que viveu, das gravações que fez, e das imagens que captou, partilhar nas paróquias ou comunidades o seu «I-Challenge – o desafio de ser Igreja».

José Henrique, P.
José Henrique, P.
Pároco da Calvaria. Diretor do Serviço Diocesano da Catequese.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...