Editorial Rede 21

Como não podia deixar de ser, o destaque desta semana vai para o novo presbítero que a Diocese acaba de conhecer. A Igreja está grata por mais um jovem decidir comprometer-se com a vinha do Senhor e entregar as suas mãos ao serviço do Reino de Deus.

Deixamos também uma sugestão: ler a homilia que o bispo D. António Marto proferiu nessa mesma celebração. O nosso pastor explica, como só ele sabe, os principais gestos que fazem parte do rito da ordenação em que, embora passando despercebida, a simbólica das mãos ganha uma força poderosa e um significado profundo. Para termos uma ideia mais precisa, o emprego da palavra “mão” ou “mãos”, é feito em 33 ocasiões — que, por si, já é, curiosamente, um número carregado de simbolismo —, sendo que a primeira, é uma pergunta que o próprio neo-sacerdote faz numa carta dirigida ao Bispo,

— Será que as minhas mãos vão fazer sempre o bem?

e que, por sua vez, dá o mote à homilia: “NAS TUAS MÃOS ESTÁ A MINHA VIDA“.

São estas as mãos

que os discípulos puderam ver abertas e trespassadas na cruz. São as mãos que Cristo mostrou aos seus apóstolos após a ressurreição e que Tomé queria tocar. São as mãos que partiram o pão e tomaram o cálice na última ceia; que lavaram os pés sujos dos doze apóstolos; que agarraram Pedro quando se afundava nas águas do lago; que levantaram a filha de Jairo já sem vida; que tocaram e curaram o leproso descartado por todos; que se estenderam sobre as crianças para as abençoar.

Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Cada um por todos

Setembro é mês do recomeço. Vividas, ou não, as férias, é tempo de voltar a ritmos que preenchem a grande parte do

Cá estamos…

Nos meses de verão é normal algumas publicações fazerem uma pausa de uma ou duas semanas. Isso acontece, sobretudo, por duas razões.

O valor dos encontros

Hoje, penso naquela célebre frase de Antoine de Saint-Exupéry, no seu livro mais conhecido – O Principezinho – que diz «foi o

5 de Outubro — 9h30 > 18h30
Seminário Diocesano de Leiria

Este site usa cookies para assegurar uma melhor experiência de navegação.