Editorial Rede 18

O senhor Acácio celebrou nos idos de Março a módica quantia de 75 primaveras. Nas mãos, são evidentes a marcas de uma vida a trabalhar de sol a sol, nas obras. São duras, como o cimento que amassou, as mãos. E as pernas também já começaram a dar de si e é frequente vê-lo agarrado à bengala que lhe ampara o andar e reduz o esforço que as articulações, também elas gastas do uso, com algum custo cumprem a sua função.

Há poucas semanas, quem diria, meteu-se num curso de computadores. Naqueles que vão numa carrinha, de terra em terra, a ensinar a quem queira essas coisas das tecnologias. Meteu-se nisso e, vai daí, arranjou um portátil em segunda mão, mandado vir da vizinha Espanha por um dos filhos, que ficava mais barato, que tudo o que vier é ganho.

As mãos do homem continuam grossas e as teclas parecem miudinhas para aqueles dedos. Numa e outra vez consegue apanhar aí umas três ou quatro de uma assentada. Mas lá vai ele. Pouco a pouco, como costuma dizer.

Ainda está no início da aprendizagem tecnológica, pelo que ainda não tem conta de e-mail. Um dos outros filhos, lá lhe arranjou no ambiente de trabalho o “link” que o põe a par da REDE mais recente. “É só carregar”, explicou-lhe, “e assim pode ler a revista”. Deu-lhe mais uma ou duas dicas que o senhor Acácio, apesar da provecta idade, lá conseguiu assimilar.

Viemos a saber, que alguns serões do senhor Acácio, dantes passados a folhear as páginas de jornais que já não existem, são passados a ler a REDE. Folheia-as no teclado, mesmo que às vezes os dedos continuem a açambarcar três ou quatro botões de cada vez. A mulher também parece que ganhou o bichinho. Diz que a lê de lés-a-lés. E que gosta. E que p’ra semana, lá está ela outra vez. “A navegar, como diz a malta nova!”

Esta história é verídica, pelo que a semelhança com a realidade não é nada pura coincidência. Há mais histórias parecidas, com gente lá dentro, daquela gente que a experiência da vida ensinou que não se fica a chorar o tempo que passou e a desdenhar o que outros, mais ágeis conseguem fazer com “essas coisas dos computadores”. E por cada uma dessas histórias, só podemos ficar orgulhosos, porque aí conseguimos cumprir um pouco da nossa missão.

Entretanto, alguém, bem mais novo por sinal, se queixa:

— Tudo muito giro… mas esquecem-se das pessoas idosas.

Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Como são belos os pés…

Pés gastos. Pés finos. Pés endurecidos pelo caminho. São os pés de quem peregrina até Fátima nestes dias, na sua maioria a

Editorial Rede 19

Ser palhaço é, talvez, daqueles mesteres mais incompreendidos e vilipendiados. Considera-se ser uma profissão menor, ao que não é alheio o facto