Editorial Rede 11

As redes sociais parece que se tornaram o espaço mediático preferido da maior parte dos cibernautas. Há quem sugira que, para manter uma mente sã, seja necessário abster-se da leitura desses fóruns, sobretudos dos comentários. Contra essa ideia (que tem a sua pertinente validade), recuperamos dois comentários encontrados num dos canais da Diocese, para… comentar.

Partilhar

“Os donativos que recolhem não é preciso levá-los para longe, quando, no nosso país, há necessitados.”

Esta foi uma ideia partilhada na internet a propósito da decisão do nosso Bispo em destinar a coleta da renúncia quaresmal para a construção de um Lar para idosos na ilha do Príncipe, diocese de S. Tomé e Príncipe. E não é novo, o argumento. Há dois mil anos já o próprio Jesus teve uma altercação com Judas Iscariotes (cfr. Jo 12, 1-11) numa situação aparentemente bem mais ligeira. Estranha-se é que haja quem tenha a desfaçatez de criar níveis de caridade e, assim, menosprezar atitudes de partilha genuínas e tão valiosas para os seus destinatários. Objetivamente, põe-se em causa um gesto generoso de resposta a uma “necessidade urgente, dada a situação dramática a que ali estão votados os idosos privados de condições mínimas para uma vida com dignidade” (Mensagem do Cardeal D. António Marto para a Quaresma de 2019), apenas porque se realiza a 4600 quilómetros de distância. O meu rebento mais novo, só tem cinco anos e diria “a sério?!”. Infelizmente, isto é apenas um pequeno reflexo da mentalidade que, tragicamente, é bem reveladora da ignorância e, mais ainda, da deformação da consciência. É gente que, como diz do Papa Francisco, não quer “sair da insensatez de viver”.

Caminhar

O que é isso? Esse nome não me é estranho… Mas andamos para a frente ou recuamos para trás?

Este comentário foi uma resposta à notícia do rito de inscrição dos catecúmenos que também é destaque na REDE de hoje. Parece que, ao autor, faz alguma confusão falar de catecumenato, que isso é coisa de antanho, que já não se usa. Pior: é coisa retrógrada e ultra conservadora. (E aqui faço uma pausa para respirar bem fundo e contar até dez; ele há coisas que nos apetecia dizer e fazer…)

Nem é preciso ir a um compêndio de teologia para perceber o significado de catecúmeno. Basta ir a um qualquer vulgar dicionário para encontrar a seguinte e lacónica definição: candidato ao baptismo. Alguns destes usuais compêndios, adiantam-se ainda mais: aquele que recebe instrução religiosa para ser admitido ao baptismo. Portanto, ao autor da atoarda, bastariam cinco segundos de pesquisa para não fazer má figura. Talvez faça confusão a muita gente haver adultos no auge de todas as suas faculdades físicas e intelectuais, que decidam ser batizados e, para isso, integrar o processo normal de formação para quem quer ser membro da Igreja. Sim, hoje em dia há adultos desses. Na nossa Diocese foram nove. Noutras, como por exemplo o Algarve, chegaram a ser 77 e, em Lisboa, 98. Se isso é andar às arrecuas, então arrecuemos.

Paulo Adriano
Paulo Adriano
Diretor do Gabinete de Informação e Comunicação da Diocese de Leiria-Fátima.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Editorial Rede 25

Quando os 72 discípulos foram enviados por Jesus, aos pares, sem mais nada senão a roupa que traziam vestida, as sandálias e,

Editorial Rede 24

Já é um lugar comum dizer que temos Fátima aqui tão perto e não lhe damos o valor devido. É daqueles casos

29 de Junho — 9h30 > 18h00
Aula Magna do Seminário Diocesano de Leiria