Diocese e Paróquias: trabalhar por uma “renovação divina”?


Será que temos de nos conformar com o sofrimento de vermos as crianças da catequese e os seus pais ausentes habitualmente da missa dominical? E temos que continuar a fazer celebrações que não têm continuidade prática na vida dos cristãos? E que dizer dos jovens crismados que abandonam de imediato a comunidade onde completaram a sua iniciação cristã?  Vamos continuar a aguentar por muito tempo as festas religiosas porque o povo assim quer e ajudam a financiar as paróquias? Numa palavra, as nossas paróquias têm que ir morrendo lentamente, perante a impotência dos pastores que a elas se dedicam incansavelmente?

Talvez muitos de nós já se tenham resignado a esta situação e desistido de lutar por uma renovação, revendo-se no diagnóstico do Papa Francisco: “Uma das tentações mais sérias que sufoca o fervor e a ousadia é a sensação de derrota que nos transforma em pessimistas lamurientos e desencantados com cara de vinagre. Ninguém pode empreender uma luta, se de antemão não está plenamente confiado no triunfo.” (EG 85).

Não é esta a atitude do Papa Francisco. Ele tem um sonho e uma visão renovada e mobilizadora da Igreja, pela qual luta incansavelmente: “Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à auto-preservação.” (EG 27). Para isso, torna-se necessária uma “conversão pastoral” que envolve agentes e estruturas viradas à missão, fazendo com que “a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de «saída» e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade.” (EG 27).

É neste sentido que um pároco canadiano, James Mallon, escreveu e publicou o livro “Renovação divina. De uma paróquia de manutenção à uma paróquia missionária” (Editora Paulus). Segundo ele, a Igreja atual sofre de uma crise de identidade, falta-lhe consciência clara e convicção firme do que é e para que serve. Neste livro, parte da afirmação de que “somos uma Igreja essencialmente missionária”, apresenta “as bases teológicas para essa identidade” e sugere “um modelo para uma vida paroquial renovada”. Não se trata de uma obra meramente teórica, pois vai relatando a sua própria experiência de trabalho e liderança pastoral em diferentes paróquias e as outras com que tem contactado.

Tendo presente o enquadramento eclesiológico, a problemática atual da Igreja e os exigentes desafios à sua missão, o livro centra-se na paróquia. Cita e alinha com as palavras do Papa Francisco, quando afirma: “A paróquia não é uma estrutura caduca; precisamente porque possui uma grande plasticidade, pode assumir formas muito diferentes que requerem a docilidade e a criatividade missionária do Pastor e da comunidade.” (EG 28). O autor pretende que se rompa com o status quo e a atitude conformista e resignada, interrogando-nos se estamos em busca de novas formas de agir para termos paróquias a crescer, atraindo mais pessoas e possibilitando-lhes uma experiência da fé e de comunidade fraterna. A missão primordial é proporcionar a todos o encontro e a relação pessoal com Jesus vivo tornando-se depois seus “discípulos missionários”.

Os capítulos do livro

Sob o título “casa de oração”, o primeiro capítulo usa esta metáfora para relembrar a nossa identidade e missão eclesial, que é a de fazer discípulos e apóstolos de Jesus. Em seguida, aponta a necessidade de “reconstruir a casa”, ou seja, empenhar-se na evangelização, que envolve a todos os membros da Igreja e que deve impregnar a sua vida concreta. Para isso é necessário, nas palavras do Papa Francisco, “passar de uma pastoral de mera manutenção para uma pastoral decididamente missionária” (EG 15). É preciso “ir e fazer”, passar à ação, praticar. O terceiro capítulo, sob o título “Casa de sofrimento”, evoca “a experiência de uma Igreja de manutenção” com a dolorosa realidade dos abusos sexuais e de muitas outras situações de mal que causam sofrimentos e desilusão dentro e fora das comunidades cristãs. Este sofrimento há de levar-nos a dirigir-nos a Deus para que nos ilumine e guie na ação para se fazerem “as mudanças e reformas necessárias”. Segue-se o capítulo “limpando a casa” sobre “o que é preciso descartar se queremos reconstruir a casa”. Fala das diversas tentações e obstáculos a eliminar para a missão eclesial de formar “discípulos missionários”. O capítulo 5, “lançando os alicerces”, é o mais desenvolvido e indica “como transformar a cultura da comunidade paroquial” para se renovar e se tornar “convidativa”. Com o título “A porta da frente”, segue-se um capítulo que trabalha a questão dos sacramentos “como a nossa maior oportunidade pastoral”. O autor questiona a atual prática pastoral e defende a necessidade de a fazer assentar em convicções teológicas firmes e coerentes. O capítulo 7 trabalha a questão da liderança e do seu papel essencial nas paróquias, defendendo que seja partilhada e organizada. Só será eficaz se assentar na visão de uma Igreja renovada e estiver animada pela esperança real de que a mesma é possível. Mallon dá indicações concretas para o processo de renovação e as formas de liderança a partir da sua experiência. 

A concluir, o autor quer deixar claro que se trata de uma “renovação divina”. Os líderes da Igreja, pastores, religiosos ou leigos, trabalham, mas quem inspira, ilumina e guia a mudança é o Espírito Santo: “Não somos nós que mudamos qualquer coisa – o mundo, a nossa diocese, a nossa paróquia ou mesmos a nós mesmos. É o Espírito do senhor que renova a face da terra, que deu origem à Igreja e continua a fazer com que se renasça. É o Espírito Santo de Deus que nos conduz ao abraçar da nossa verdadeira identidade como Igreja missionária. É o Espírito de Deus, derramado no Novo Pentecostes, que nos dá a habilidade de suscitar a Nova Evangelização”. Este Espírito está na Igreja e em cada um de nós para ser solicitada a sua ação e nos impelir onde nós nem imaginamos.

O livro interpela-nos e desinquieta-nos. Impele-nos a deixar a lamentação e procurarmos soluções criativas para a missão nas situações concretas em que nos encontramos.  Não podemos conformar-nos com as dificuldades presentes, é preciso lutar por algo de novo. O mais importante na missão da Igreja não é o que ela faz, mas o que Ele faz por nós e por todos os homens. O nosso empenho é para buscar, acolher e testemunhar o que Ele continua a afazer por nós, por todos e para todos. Está aí a verdadeira “renovação divina” da Igreja e de cada paróquia.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Leia também...

Como são belos os pés…

Pés gastos. Pés finos. Pés endurecidos pelo caminho. São os pés de quem peregrina até Fátima nestes dias, na sua maioria a

Editorial Rede 19

Ser palhaço é, talvez, daqueles mesteres mais incompreendidos e vilipendiados. Considera-se ser uma profissão menor, ao que não é alheio o facto