Depois de dois anos sem lobitos, agrupamento de Santo Agostinho faz a primeira caçada

Depois de dois anos sem lobitos, agrupamento de Santo Agostinho faz a primeira caçada

No fim de semana de 10,11 e 12 de janeiro, deu-se início à primeira grande caçada dos Lobitos do agrupamento 1198 – Santo Agostinho, da região escutista de Leiria-Fátima. Após dois anos em que este agrupamento não teve elementos da I secção. A atividade decorreu sob o mote “A aldeia de Bajouca está em alvoroço! O Pai Natal, depois de ter deixado a última prenda, em casa do ti Alberto, desapareceu! O ti Alberto, preocupado, resolveu chamar os lobitos para o ajudarem numa missão muito importante e de máxima responsabilidade!”

Muito entusiasmados, mas sempre alerta, de ouvidos e olhos bem abertos, onze lobitos acantonaram no Parque do Pisão e percorreram toda a aldeia de Bajouca, para conhecerem melhor aquela região, as suas gentes e viverem a sua primeira grande aventura.

O Bando Cinzento e o Bando Ruivo conheceram o Sr. Manuel, oleiro, que lhes falou da sua profissão e os deixou experimentar um pouco da sua arte. Cantaram as janeiras ao sapateiro Manuel e à sua esposa, que os receberam muito bem na sua oficina. Visitaram também o senhor Agostinho, moleiro de profissão, que lhes falou da dureza de moer o trigo na azenha e lhes ofereceu farinha para que pudessem, também eles, confecionar uma deliciosa broa.

No parque do Pisão, os jovens pata-tenras puseram à prova os seus conhecimentos de sinais de pistas para descobrirem o paradeiro do Pai Natal e a última mensagem que ele lhes deixou: que juntos, podem melhorar o nosso meio ambiente, protegendo os recursos naturais de que tanto precisamos. Afinal, este é o único planeta que temos!

Ana Batista
Ana Batista
Agrupamento 1198 - Santo Agostinho
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Lobitos da Cruz da Areia salvam o Natal

O imaginário para a atividade de Natal dos lobitos do agrupamento 776 – Cruz da Areia, da região escutista de Leiria-Fátima, tinha como missão ajudar o Pai Natal a encontrar um remédio para salvar os duendes que estavam doentes e também evitar que toda a gente ficasse doente.

Escuteiros de Porto de Mós na Drave

Na madrugada de dia 26 de dezembro, 17 caminheiros e um chefe do clã nº 24 do agrupamento 370 – Porto de Mós, da região escutista de Leiria-Fátima, partiram para o seu empreendimento de Natal na aldeia mágica de Drave