Ainda sobre a Eutanásia

Ainda sobre a Eutanásia

A dona Marques (nome fictício) – que de “dona” tem pouco – talvez nem da sua própria vida o seja agora, pois a Deus a entrega, talvez, sem o saber – estava deitada. Deitada assim como em todas as semanas a revejo. De olhar profundo, olhava-me como se apenas o meu vulto conseguisse decifrar por entre a neblina de olhar que já mal vê, mas que tudo contém. E o que contêm os olhos seus? Que histórias por deslindar e quantas não ficarão por partilhar? Não fala. Ou pouco fala. Mas aquele olhar diz tudo. Fala de sofrimento. Fala de dor. As únicas dores que lhe oiço são as físicas quando, ao mobilizá-la, lá vou um pouco mais além da sua amplitude disponível (que é pouca). Lá solta um “Ai”. As outras dores não as conta, não as reza em palavras. Talvez as reze em pensamentos.

Já lá vão uns meses desde que entro nesta casa a que chamam de “Lar”. Pergunto-me se cada um destes jovens com idade o assume como o seu lar. Um lar onde muitos habitam e poucos se conhecem entre si. Poucos sabem o nome do vizinho que se senta no cadeirão ao lado. No olhar de alguns estampa-se sempre a vontade de falar com quem passa, nem que seja para dizer a mesma coisa que já disseram no dia anterior.
“Então Sr. António (nome fictício). Como vai?”, pergunto. “Olhe… Cá estou. À espera.”, responde com o seu sorriso carinhoso muito próprio. “À espera? De quem?”, pergunto, quase adivinhando o motivo da espera. “Olhe… Que Deus me leve.”, responde ele com muita aceitação. “Oh Sr. António, não o diga isso!”. “Ai digo, digo! E você quando chegar à minha idade irá dizer o mesmo.”. Calei-me. Uma espera feliz, assim o vejo, ainda que sofrida. Nestas esperas vejo histórias que tanto ensinam. 

Na verdade, penso que estamos a descuidar esta história que existe, encarnando a via fácil como a única possível. Por fim à história. Talvez muitos destes jovens com idade nem o saibam e nem o sintam, mas são fonte de vida e inspiração. “Quando for velhinha gostava de ser como a Dona Luísa (nome fictício)”. Muito ensinam. Talvez não estejamos a dar ouvidos ao bem maior e a ficar apenas o sofrimento que passam e vivem.

E isto, voltando ainda a falar sobre a Eutanásia (que nos entretantos, foi perdendo protagonismo mediático, sem o merecer). Como muitos o dizem, não tenho respostas apenas perguntas. Não estaremos (só) a facilitar o que não é supostamente fácil?

As nossas notícias no seu email

Nota: para garantir a segurança e proteção dos seus dados, deve confirmar a sua inscrição. As instruções estão num email que irá receber. Depois de confirmar, começará a receber emails a partir de info@leiria-faima.pt com periodicidade irregular. A qualquer momento pode cancelar subscrição.
Carolina Fiúza
Carolina Fiúza
A Carolina Fiúza é natural de Santa Eufémia, habita na Barreira, e é Leiga Missionária Comboniana (LMC). Enquanto LMC esteve durante um período em missão na Etiópia, partilhando a vida. Após regressar, segue o caminho na construção de Família e no serviço e olhar ao outro como Fisioterapeuta e amiga. Por aqui, em Leiria, a sua missão continua, pois a missão é a vida e a vida é a própria missão, marcada por encontros. E é aqui, neste espaço que também podemos marcar com ela encontro.
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Missão fora, cá dentro

Por vezes, Deus lá nos troca as voltas e aquilo que achávamos que ia acontecer, não acontece. Perdemos o sentido, quebram-se alguns pré-conceitos, questionamos o porquê…