24 – Diocese de Leiria-Fátima: resenha histórica

24 – Diocese de Leiria-Fátima: resenha histórica

É dos inícios da nacionalidade a edificação do castelo e da primeira igreja de Leiria, a de Nossa Senhora da Pena, em 1147. Posteriormente, foram edificadas outras ermidas, igrejas e conventos e também algumas ordens religiosas se vão fixando, como foi o caso dos Franciscanos, em 1232, e dos Dominicanos (Mosteiro da Batalha), em 1388.

Desde o século XIII, é significativo o movimento de criação de instituições de assistência por toda a nação, como confrarias, albergarias, hospitais e gafarias. O mesmo se passa em Leiria, onde posteriormente surgiria a Santa Casa da Misericórdia (1544) e, recentemente, as Conferências de S. Vicente de Paulo, os centros sociais e a Cáritas Diocesana.

A exigência de tornar o apoio espiritual e pastoral mais próximo das pessoas leva à progressiva reorganização do serviço religioso. A partir da segunda década do século XVI, quando Leiria era uma vigararia do Convento de Santa Cruz de Coimbra, regista-se um crescente movimento de descentralização na administração paroquial, com a criação de capelanias em algumas igrejas da zona rural, com relativa autonomia, instalação de pia batismal, celebração da Missa nos dias de preceito e dos sacramentos, mantendo apenas uma ligação simbólica com a matriz.

 

Fundação e crescimento

É neste contexto que o rei D. João III pede ao Papa Paulo III a criação da Diocese de Leiria, argumentando que “é uma das notáveis vilas deste reino e de muita clerezia e povo” (teria cerca de 2.200 habitantes) e que nela deveria residir um prelado que a governasse. O pedido é satisfeito com a Bula “Pro excellenti apostolicae sedis”, datada de 22 de maio de 1545. É erigida a igreja de Santa Maria da Pena como catedral (passando depois para a igreja de S. Pedro, fora das muralhas) e a nova diocese é integrada na província eclesiástica de Lisboa, com 15 paróquias ou quase-paróquias: dentro da cidade, Santa Maria da Pena (a matriz), S. Pedro, S. Tiago, S. Estêvão e S. Martinho; fora da cidade, Batalha, Colmeias, Espite, Maceira, Monte Real, Pataias, Reguengo, S. Simão de Litém, Souto da Carpalhosa e Vermoil. O primeiro bispo é D. Frei Brás de Barros, que realizou um Sínodo Diocesano em 1549 e publicou as respetivas constituições. Foi também ele quem criou a nova freguesia de Santa Catarina da Serra (1546) e a quase-paróquia de Nossa Senhora da Gaiola, nas Cortes. Em 1585, o bispado seria ampliado com a integração das paróquias de São Vicente de Aljubarrota, Alvados, Arrimal, Seiça, Fátima, Freixianda, Juncal, Mendiga, Minde, Olival, Ourém, Porto de Mós (São João, São Pedro e Santa Maria) e Serro Ventoso.

O segundo bispo foi D. Frei Gaspar do Casal, grande teólogo e pregador que participou no Concílio de Trento. Foi ele que iniciou as obras na nova Sé, em 1563, e fundou, em 1577, o Convento de Santo Agostinho, que se viria a tornar no centro de ensino religioso mais notável da cidade.

Os bispos sucessores foram igualmente de alta craveira intelectual, como D. António Pinheiro (1579-1582) ou D. Pedro de Castilho (1583-1604), que viria a ser vice-rei de Portugal e inquisidor-mor. Foi este último quem realizou o segundo Sínodo Diocesano, em 1598, cujas 176 constituições seriam publicadas em 1601, fundou o Santuário de Nossa Senhora da Encarnação (1588-1600) e criou as paróquias de Monte Redondo (1589), Arrabal (1592) e Marinha Grande (1600).

Em 1614, foram anexadas à Diocese as paróquias de Nossa Senhora dos Prazeres de Aljubarrota e de Alpedriz, e o território viria a dividir-se em novas comunidades autónomas pelos anos seguintes: Alqueidão da Serra (1615), Amor (1630), Carvide (1632), Coimbrão (1636), Azóia, Barosa, Parceiros, Pousos, Alcaria e Regueira de Pontes (1713-1717), Mira de Aire (1720 ?), Rio de Couros (1728), Barreira (1738), Vieira (1740) e Milagres (1750). Depois desta data, seria preciso esperar pelo século XX para se voltar a assistir a um surto de novas divisões paroquiais.

 

Decadência e ressurgimento

Oitocentos afirmou-se como um período de grandes dificuldades na Diocese. Basta lembrar as nefastas Invasões Francesas, que dizimaram cerca de um terço da população (na cidade, a população de cerca de 3000 pessoas ficou reduzida a umas 150), ao mesmo tempo que saquearam e destruíram impiedosamente grande parte das infraestruturas religiosas (paço episcopal, mosteiros, templos; celeiros, pilhagens dos tesouros e alfaias litúrgicas).

Foi nesta época que, apesar de se ter revelado uma diocese extremamente estável administrativa e pastoralmente, Leiria não resistiria à política do Estado liberal português, acabando por ser extinta em 30 de setembro de 1881, sendo a bula de Leão XIII executada um ano depois.

Com a instauração da República, em 1910, e a célebre “Lei da Separação do Estado das Igrejas”, nova espoliação de património e perseguições atingem a extinta diocese, agora dividida por Lisboa e Coimbra. Algumas igrejas e o paço episcopal, por exemplo, são nesta altura transformados em quartéis militares ou ocupados por entidades estatais.

Mas os leirienses não baixaram os braços e foram tenazes lutadores pela restauração, que viria a ocorrer a 17 de Janeiro de 1918, pelo decreto “Quo vehementius” do Papa Bento XV. O primeiro bispo, D. José Alves Correia da Silva, entra em 1920 e inicia um novo período de ouro da história diocesana, começando por restabelecer as suas instituições e serviços pastorais. É ele quem realiza o III Sínodo Diocesano, em 1943.

Também em termos territoriais, a Diocese pós-restauração se foi reorganizando em novas paróquias: São Mamede da Serra (1920), Serra de Santo António (1922), Albergaria dos Doze (1923), Pedreiras (1924), Calvaria (1925), Urqueira (1940), Gondemaria (1940), Santa Eufémia, São Bento, Boavista e Alburitel (1946), Caxarias (1949), Carnide (1953), Ortigosa (1964), Casal dos Bernardos (1966), Bajouca (1972), Meirinhas (1986), Cercal, Matas, Bidoeira e Memória (1993). Em 1957, havia integrado a freguesia de Formigais, desanexada do patriarcado de Lisboa.

Na sequência do Concílio Vaticano II, assiste-se ao surgir de movimentos de espiritualidade e apostolado e à implementação de serviços diocesanos de dinamização e formação pastoral. O Congresso Diocesano de Leigos, em 1988, “foi um acontecimento memorável, que fez vibrar e rejuvenescer muitos membros do Povo de Deus”. Dele saiu a proposta de realização do IV Sínodo Diocesano, que D. Serafim de Sousa Ferreira e Silva iria promover entre os anos de 1995 a 2002.

A partir deste sínodo, foi elaborado o projeto pastoral “Testemunhar Cristo, Fonte de Esperança”, que orientaria os anos de 2005 a 2011. A 25 de junho de 2006, entrou na Diocese o Bispo D. António Marto, que assume este projeto e o desenvolve conforme a sua visão pastoral. Seguir-se-á um Ano da Fé (2012-2013), um biénio centrado na Família (2013-2015) e outro em Nossa Senhora e no Centenário das Aparições de Fátima (2015-2017). O corrente ano de 2017-2018 é dedicado à celebração do Centenário da Restauração da Diocese.

 

Fátima

As Aparições de Fátima, ocorridas em 1917, merecem um capítulo especial, porquanto vieram revolucionar por completo esta história e marcar definitivamente o lugar da diocese no mapa religioso mundial. Graças a esse acontecimento, a Diocese recebe Nossa Senhora de Fátima como sua padroeira, em 1963, mantendo-se embora o já padroeiro Santo Agostinho. E, pela bula pontifícia “Qua pietate”, de 13 de maio de 1984, passará a chamar-se Diocese de Leiria-Fátima.

Fátima foi motivo para a visita dos Papas Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991 e 2000), Bento XVI (2010) e Francisco (2017). Este último veio canonizar as duas crianças videntes Francisco e Jacinta Marto, escrevendo nesse dia 13 de maio do Centenário das Aparições uma das páginas mais ilustres da história desta diocese.

Luís Miguel Ferraz

Fonte: Artigos de Saul António Gomes, P. Luciano Coelho Cristino e P. Jorge Guarda, neste portal.

 


Ver mais artigos da rubrica “100 anos – Figuras & Factos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A REDE mais recente

Carregue na capa para ver edição em formato .pdf

Receba a Revista REDE gratuitamente todas as semanas no seu email.

Leia também...

Profissão de Fé no Coimbrão

Ocorreu no passado domingo dia 16, Solenidade da Santíssima Trindade, na igreja paroquial de Coimbrão, a Profissão de Fé de 15 adolescentes.

29 de Junho — 9h30 > 18h00
Aula Magna do Seminário Diocesano de Leiria