O Credo dos Apóstolos: A beleza da profissão da fé cristã

Tags:catequese
Categoria: Escritos Pastorais
Criado em 06-02-2013

Catequese para a celebração comunitária da profissão de fé do Povo de Deus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ref. BD2013B-001

Apresentação e sugestões pedagógicas

Esta proposta concretiza a promessa que fiz na Nota pastoral, em que recomendei a realização de uma “celebração comunitária da profissão de fé (o credo) do Povo de Deus, ao modo da antiga “traditio symboli” dos catecúmenos na Quaresma, com uma catequese própria elaborada pelo Bispo: ‘Creio, mas aumenta a minha fé’.” No mesmo documento afirmo: “Não basta recitar o credo; é preciso compreendê-lo em profundidade. Rezamos ou cantamos o credo porque é uma proclamação da fé em Deus-Amor, um ato de louvor, um reconhecimento de ação de graças” (O tesouro da fé dom para todos, n. 5.1).

Sem prejuízo do sentido pastoral e da criatividade dos sacerdotes e dos líderes e animadores de comunidades, grupos e movimentos, poderá usar-se esta catequese num dos modos seguintes:

NAS PARÓQUIAS:

1)como uma catequese para os colaboradores paroquiais, terminando com a profissão de fé simples, recitando o credo;

2)como uma catequese também para os colaboradores paroquiais, feita durante a quaresma, para preparar a profissão solene da fé na celebração da vigília pascal;

3)como uma catequese feita numa só vez ou repetida para vários grupos ou comunidades, na preparação para a festa do padroeiro da comunidade paroquial (ou no padroeiro de cada uma das comunidades da paróquia); noutro dia dessa preparação, realiza-se uma celebração solene da profissão de fé integrada na Eucaristia ou noutro tipo de celebração mais oportuna.

Esta catequese pode também ser usada em encontros de diferentes grupos paroquiais, embora seja de preferir a dimensão paroquial mais ampla, para acentuar a experiência da comunhão eclesial sobre a base da mesma fé.

NAS COMUNIDADES RELIGIOSAS, GRUPOS E MOVIMENTOS APOSTÓLICOS

1)como uma catequese num dos encontros habituais, terminando com uma profissão de fé simples ou com uma celebração na qual se faz solene profissão de fé;

2)durante um retiro, incluir a catequese e depois fazer uma solene profissão de fé durante uma celebração.

EM FAMÍLIA

Reservar um dia em que toda a família se reúna, lêem e partilham entre os membros o contéudo da catequese e terminam com uma profissão de fé simples, recitando o credo.

 

1. O credo, uma bela profissão de fé?

S. Paulo, na primeira carta a Timóteo, diz-nos que “Jesus Cristo, diante de Pilatos, deu testemunho numa bela profissão de fé”(1 Tim 6, 13). A Igreja expressou esta bela profissão de fé, mais tarde, no Credo ou Símbolo dos Apóstolos, que é uma síntese da fé cristã transmitida pelos apóstolos. 

Uma das propostas para o Ano da Fé é uma celebração comunitária da profissão de fé do povo de Deus, particularmente cuidada, à maneira da “entrega do símbolo ou credo” aos catecúmenos que se preparam para o batismo, com uma catequese apropriada. 

Não basta recitar o credo; é preciso compreendê-lo na riqueza e beleza do seu conteúdo de fé. Ele não é um mero catálogo de verdades abstratas nem muito menos um código ético. É antes a galeria das maravilhas da salvação de Deus em favor da humanidade. Somos convidados a rezá-lo ou cantá-lo porque é uma proclamação de Deus-Amor e um ato de fé, de louvor e de ação de graças pelas suas maravilhas. Quem poria em música ou cantaria um catálogo de verdades abstratas?

A catequese que oferecemos é de tipo mistagógico. Tal como o Credo, não pretende demonstrar nada, dar razões ou responder a objecções. É apenas um convite: “Vinde descobrir  o tesouro da nossa fé”. Trata-se tão só de ajudar a descobrir, meditar e saborerar a beleza e o fascínio da fé cristã e a alegria de crer.

“Na vossa presença, Senhor, nós vos rezamos e imploramos a vossa bondade: dai-nos a graça de meditar em nosso coração o que os lábios professam”( Oração de Vésperas de terça-feira IV).

 

2. Creio em Deus, Pai todo poderoso,  Criador do céu e da terra

A primeira maravilha de Deus aos homens a ser contemplada é o dom da criação. Por isso, começamos por confessar a fé em Deus Pai, fonte de toda a vida e de todo o amor, do qual procede tudo o que existe. Nas fontes da existência do mundo, da vida e do homem, está o mistério de amor d'Aquele que se revelou como Pai de Jesus Cristo e Pai nosso. Só o Amor, que nos chama à existência, nos pode dar a certeza de que a vida, cada vida tem sentido, tal como acontece a uma criança nascida do amor dos pais. Não andamos no mundo por acaso ou ao acaso, nem estamos sós. Cada um de nós é pensado, querido e amado por Deus!

A fé em Deus Pai Criador convida-nos, pois, a tomar consciência das nossas origens como criaturas, isto é, da nossa pertença confiante a Deus como Aquele «pelo qual existimos, nos movemos e somos», e da nossa dignidade ímpar como seres criados à imagem e semelhança de Deus.

Crer em Deus Criador convida-nos ainda a ver o mundo como um dom de Deus e,  ao mesmo tempo, como uma missão nossa de sermos colaboradores de Deus. A criação é como uma semente cheia de energia maravilhosa confiada por Deus ao homem para a cultivar. Recebemo-la, pois, como um grande dom que nos é dado para estimar e desenvolver, a fim de que seja «casa comum» de todos os homens, onde todos possam habitar, viver, conviver e trabalhar como irmãos, na paz e na justiça.

“Ó Senhor, nosso Deus, como é admirável o vosso nome em toda a terra”(Sl 8, 2)

 

3. Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor

A segunda parte do Credo centra-se na maravilha das maravilhas de Deus em favor dos homens. Deus comunica-se não só criando-nos e dando-nos uma terra e uma história, mas comunicando-se a si mesmo no seu Filho, feito homem: “creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor...”. Quem ama quer estar onde está a pessoa amada. O amor de Deus é tão forte que quer habitar plenamente no meio de nós, estar a nosso lado, comunicar coração a coração, fazendo-se um de nós: é o mistério da Encarnação do Filho eterno de Deus.   Na realização deste designio, Maria de Nazaré colaborou com o poder do Espírito Santo oferecendo o seu coração e o seu seio: “nasceu da Virgem Maria”. Maria é assim mãe de Jesus e nossa mãe na fé.

Os evangelhos apresentam-nos Jesus em toda a riqueza da Sua humanidade. Homem de carne e sangue, de coração e de espírito, aprendeu a caminhar os passos dos homens, conheceu as nossas alegrias e as nossa lágrimas, a fome, a tentação, o sofrimento e a morte. Com o Seu testemunho, a Sua Palavra e as Suas acções, Jesus mostra-nos o rosto de Deus, próximo de nós e compassivo, e dá-nos a conhecer o Seu nome: “Filipe, quem me vê, vê o Pai”. 

A Sua paixão e morte foi o maior acto e sinal do amor com que entregou a Sua vida «por nós homens e para nossa salvação”. E com a Sua ressurreição «destruiu o poder da morte e restaurou a vida››. Abriu no mundo o caminho do Amor redentor mais poderoso que o pecado, o caminho da vida mais forte que a morte.

 Só após a ressurreição e as aparições de Jesus ressuscitado, é que os discípulos compreenderam e reconheceram plenamente o mistério da pessoa de Jesus: ‹‹Verdadeiramente, Tu és o Filho de Deus››; «Meu Senhor e meu Deus»! A ressurreição é a confirmação da verdade de Jesus.

Por isso, nós reconhecemo-Lo como Salvador e Senhor, «Deus de Deus, Luz da Luz››, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Confessamos que Jesus Cristo não é apenas um homem santo, um profeta, um mestre e modelo, mas que é o Deus-Amor e o Amor de Deus em pessoa que renova e salva a nossa vida. Unidos a Ele, temos acesso à vida de Deus, ao coração do Pai, ao mistério do Seu amor, ao dom do Seu Espírito e da vida nova na amizade com Ele.

“Vivo a vida presente na fé no Filho de Deus que me amou e se entregou por mim”(Gal 2, 20).

 

4. Creio no Espirito Santo

Após a ressurreição, Jesus, embora subtraído a nossos olhos, não é um ausente longínquo e inacessível. Envia o Espírito Santo para continuar a Sua obra de salvação.

Pelo dom do Espírito Santo, Deus vem habitar em nós, derrama o Seu amor nos nossos corações (Rom 5, 5). Assim recebemos a união mais íntima com Ele, participamos da Sua vida,  somos verdadeiramente filhos e filhas de Deus. Quando Deus nos dá o Seu Espírito, dá-se a Si mesmo.

O Espírito Santo é também a ‹‹alma›› da vida da Igreja. É Ele que a mantém unida intimamente a Cristo, a santifica e renova através da Palavra, dos sacramentos, da oração, da comunhão fraterna, dos dons e ministérios. Por isso, no Credo também reconhecemos a Igreja como realidade da fé: ela é obra de Deus, mistério da comunhão de Deus com os homens e dos homens entre si.

Por fim, o dom do Espírito é motivo da nossa confiança e da nossa esperança. É a certeza de que Deus está sempre connosco, quer na vida quer na morte. Assim, confiamos e esperamos que a obra da salvação em nós começada, Deus a levará a feliz termo na ressurreição para a vida eterna - o reino da vida, do amor e da alegria sem fim, sem reservas e sem fronteiras, na comunhão plena com Deus, numa nova forma de existência gloriosa para além da morte.

“Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor”!

 

5. Creio na Santíssima Trindade, Comunhão perfeita de vida e amor

Em Jesus Cristo, Deus abriu-nos o mistério da Sua intimidade. Manifesta-se na História da Salvação tal como é, e é tal como se manifesta: Pai, Filho e Espírito Santo. E, contudo, não há três deuses, mas um só Deus em três pessoas distintas, numa comunhão perfeita de vida, amor e comunicação. É, na verdade, um mistério que nos transcende. Muitas vezes fixamo-nos na dificuldade exterior de o compreender racionalmente. Mas, às vezes, o coração entende melhor que a razão. De facto, este é o segredo da vida íntima de Deus. No seu mistério mais íntimo, Deus não é uma solidão, mas uma família, uma comunhão. A Santíssima Trindade é a melhor e mais perfeita comunidade.

Enche-nos com a Sua presença e o Seu amor, para nós vivermos também, à Sua imagem e semelhança, na doação mútua, na comunhão fraterna, no diálogo recíproco, na solidariedade, na confiança na bondade da vida e na esperança da vida plena, gloriosa e definitiva. «A Trindade de Deus é o mistério da Sua beleza. Negá-la é ter um Deus sem esplendor, sem alegria, um Deus sem beleza» (Karl Barth).

“Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo...”

 

6. “Senhor, eu creio! Ajuda a minha pouca fé!”

Num mundo pluralista marcado pela cultura da indiferença religiosa ou da descrença, parece que assistimos a um certo “eclipse de Deus”. Os cristãos são chamados a viver a fé e a sua identidade em parmanente luta interna, em confronto com opções totalmente contrárias e por vezes em ambiente de adversidade. Precisam de reconquistar dia após dia  a graça e a alegria de crer, cultivando e velando pela sua fé e orando cada dia como o pai do jovem epilético curado por Jesus: “Eu creio! Ajuda a minha pouca fé!”(Mc 9, 24). 

“Ó Senhor, pelo mistério da tua morte e ressurreição, com o fogo do Espírito Santo, acende em mim a graça de uma fé grande como a dos nossos pais na fé, desde Abraão a Maria até aos santos e testemunhas humides de hoje.

Acende em nós a mesma fé para que possamos responder hoje à graça do teu mistério de amor. Ajuda-nos a crescer na fé vivida como experiência de um Amor recebido e comunicada como experiência de graça, beleza e alegria que transforma os nossos corações, a nossa vida e o nosso mundo”.  

 

“Esta é a nossa fé, esta é a fé da Igreja que nós nos gloriamos de professar em  Jesus Cristo, nosso Senhor”!

Leiria, 6 de fevereiro de 2013, memória dos mártires S. Paulo Miki e Companheiros

† António Marto, Bispo de Leiria-Fátima

 

Credo dos Apóstolos

Creio em Deus, Pai todo-poderoso,

Criador do Céu e da Terra;

e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor,

que foi concebido pelo poder 

do Espírito Santo; 

nasceu da Virgem Maria;

padeceu sob Pôncio Pilatos, 

foi crucificado, morto e sepultado; 

desceu à mansão dos mortos; 

ressuscitou ao terceiro dia; 

subiu aos Céus; 

está sentado à direita de Deus Pai 

todo-poderoso, de onde há de vir 

a julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo;

na santa Igreja Católica; 

na comunhão dos Santos;

na remissão dos pecados; 

na ressurreição da carne;

na vida eterna

Ámen.

 

Em anexo três versões para descarregar:

Doc em texto editável

PDF em paginação corrida

PDF paginado em livro (a imprimir em 2 folhas A4 - frente e verso)

 

Partilhar:





Contactos

 

Serviços Gerais da Diocese


R. Joaquim Ribeiro Carvalho, 2 
2410–116 Leiria

Tel.: 244 845 030
Fax: 300 013 266

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Siga-nos

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Liturgia Diária



© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados

© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados