Notícias

Bispo de Leiria-Fátima apresenta carta pastoral para 2017-2018: “A alegria de ser Igreja em Missão”

Categoria: Notícias
Criado em 05-09-2017
©LMFerraz/arquivo

“Leiria-Fátima em festa - Centenário da restauração da Diocese (1918-2018)” é o lema do ano pastoral de 2017-2018. Na carta pastoral “A alegria de ser Igreja em Missão”, o Bispo diocesano, D. António Marto, apresenta a sua reflexão sobre a importância da memória e a necessidade do regresso às fontes para a construção de uma Igreja cada vez mais próxima e inclusiva.

Luís Miguel Ferraz

 

Diocese “tão antiga e tão nova” faz festa

As palavras de Agostinho de Hipona, o santo escolhido como padroeiro para a Diocese restaurada, há 100 anos, poderão ser adotadas para resumir o ideário do próximo ano pastoral: esta Igreja diocesana, em ano jubilar do centenário da sua restauração, quer descobrir a sua beleza histórica, mas também a alegria da novidade permanente, própria de um corpo vivo. Deus é essa “beleza tão antiga e tão nova” de que falava Santo Agostinho e também a Igreja por Ele fundada é chamada a aproximar-se dessa imagem.

Assim, entre outubro de 2017 e outubro de 2018, a Igreja de Leiria-Fátima estará em “modo de festa”, tendo como epicentro a efeméride da sua restauração, a 17 de janeiro de 1918. Mas é uma festa com conteúdos e objetivos bem definidos, como aponta o Bispo diocesano, D. António Marto, na carta pastoral “A alegria de ser Igreja em Missão”, com data do passado dia 28 de agosto, precisamente, dia da memória deste Santo Padroeiro. Concretamente, os fiéis serão convidados a “avivar a consciência do percurso histórico da Diocese nos últimos cem anos e dar graças a Deus; fortalecer o sentido de pertença à comunidade diocesana; e motivar a vida e a missão eclesial no testemunho e anúncio do Evangelho”.

Isto sem perder de vista a alegria, característica essencial da festa, que D. António coloca logo no título e na abertura da carta pastoral, que se propõe “iluminar o percurso pastoral da nossa Igreja diocesana ao longo de 2017-2018 e ajudar a vivê-lo com o entusiasmo irradiante da fé”.

 

Partindo da memória

Se o motivo da festa é um centenário, é importante recordar o acontecimento que lhe dá origem e a “longa peregrinação no tempo” desde então. Tal como o Povo de Deus fazia constante memória das maravilhas de Deus para O aclamar como Senhor, também nós “somos chamados a fazer memória de uma história de que somos herdeiros, a revisitá-la, a relê-la na perspetiva das maravilhas que Deus realizou no nosso povo e do louvor que elas suscitam em nós”, escreve o Bispo diocesano no primeiro capítulo da carta pastoral.

Este exercício servirá, em primeiro lugar, para frisar a “identidade, unidade e continuidade” desta Igreja particular, pois “sabendo donde vimos, tomamos consciência do que somos, dos laços que nos unem, dos valores que nos movem”. Tal memória deverá encontrar a história concreta “de rostos, de pessoas com nome próprio, de experiências, acontecimentos e momentos que concorreram para dar forma a estes cem anos, para a identidade eclesial diocesana enraizada no tempo e no nosso espaço geográfico e humano”.

Em segundo lugar, deverá ser uma “memória do futuro”, isto é, dirigida para a esperança e a renovação. D. António Marto alerta para as duas tentações de “glorificar os êxitos do passado denegrindo o presente” ou de “pôr em relevo os erros do passado para exaltar o presente”. Evitando cair nelas, há que, “inspirando-se no passado, encontrar os meios para adquirir uma arte de viver hoje a fé, na relação com Deus e com os outros, adquirir uma sabedoria para viver – sobretudo em condições inéditas – os acontecimentos atuais com esperança e coragem, como fizeram os nossos pais”. Na mesma linha, somos também convidados a uma atitude de “memória agradecida”, que saiba “dar graças a Deus e manifestar a gratidão a todos os que nos precederam no testemunho da fé e do amor”.

Nesta carta pastoral não se inclui a história propriamente dita, anunciando-se que serão publicadas obras e realizado um congresso sobre o assunto, mas sublinham-se alguns tópicos fundamentais, como a própria restauração da Diocese e o “acontecimento-mensagem de Fátima que conferiu à diocese uma caraterística intensamente mariana e a dotou do carisma específico de cuidar da mensagem e da sua atualidade para a renovação da Igreja e a paz no mundo”. Recorda-se, ainda, o contributo de muitos sacerdotes, das comunidades religiosas e dos movimentos apostólicos ao longo das décadas e de momentos especiais como a implementação das diretrizes do Concílio Vaticano II, o Sínodo Diocesano e a vivência ainda em curso do Centenário das Aparições de Fátima, onde se destaca a canonização dos Pastorinhos Francisco e Jacinta.

Será esta a “herança que nos interpela e impele para diante”. O Bispo diocesano termina este capítulo com algumas perguntas, como se “seremos capazes de reconhecer o que recebemos e dar graças por isso” ou se “saberemos extrair da nossa história os tesouros de imaginação, de criatividade necessários para anunciar o Evangelho a este mundo em transformação”.

 

Igreja próxima e concreta

No segundo capítulo, a carta pastoral aponta o exemplo de Antioquia para a edificação de uma Igreja tipicamente local, próxima e inclusiva. Sendo uma cidade importante do império, rica e cosmopolita, a comunidade cristã aí nascente soube viver e testemunhar o Evangelho perante toda a diversidade cultural e religiosa que a rodeava. O anúncio de “alguns discípulos anónimos” foi eficaz ao ponto de converter “grande número”, ainda mais aumentado com a chegada dos apóstolos Barnabé e Paulo. Nesta Igreja, confirmada e consolidada pelos apóstolos, rapidamente frutificaram os diversos ministérios inspirados pelo Espírito Santo e surgiram as atitudes naturais dos cristãos: a vocação missionária que leva a ir ao encontro de outras comunidades, a celebração comunitária do culto e a comunhão fraterna. Tudo isto “num terreno novo” que obrigava a superar “barreiras culturais e raciais entre judeus e gentios” e à “tradução da mensagem cristã nas coordenadas culturais do mundo greco-romano diferente da cultura hebraica”.

Esta “inculturação” da fé “está a indicar a toda a Igreja um modelo de comunicação do Evangelho e de vivência da fé em circunstâncias do lugar, do tempo e da cultura”, considera D. António Marto, concluindo que uma diocese “não é uma realidade abstrata”, mas “nasce, cresce, toma forma e corpo em toda a parte em que homens e mulheres, pela fé e pelo batismo, recebem o dom do Espírito, acolhem a Palavra do Evangelho, celebram a Santa Eucaristia e os sacramentos da graça de Deus, vivem o amor fraterno, reunidos à volta do ministério apostólico do bispo com o seu presbitério”.

Este carater local, próximo e concreto ganha especial expressão na paróquia, “Igreja enraizada num lugar, presente no meio das casas dos homens, mais próxima à vida das pessoas” e, por outro lado, “célula viva da Igreja diocesana” que “só encontra a sua plena realização na comunhão com ela (...) através do ministério do bispo”.

“Verificamos, contudo, que grande parte dos fiéis valoriza mais uma comunidade de proximidade: a paróquia, o movimento, o grupo, a congregação religiosa e esquecem ou até ignoram a sua pertença afetiva e efetiva à Igreja diocesana”, lamenta o Bispo, sublinhando a oportunidade deste ano para “despertar a consciência diocesana e viver em Igreja amando-a mais e melhor”. E deixa alguns exemplos: “realizar uma semana diocesana em cada paróquia; uma peregrinação de cada vigararia à Catedral com celebração presidida pelo bispo diocesano; um congresso teológico-pastoral; catequeses sobre a Igreja local; participação nos eventos de carácter diocesano (assembleia no início do ano pastoral, ordenações sacerdotais, peregrinação diocesana a Fátima, festa do Corpo de Deus...); oração pelas vocações sacerdotais, a oração pelo bispo na celebração eucarística, fonte primeira de comunhão entre ele e a sua Igreja”.

 

Sair, escutar e festejar

A vocação missionária da Igreja é desenvolvida como corolário da reflexão, no último capítulo da carta pastoral. Reconhecendo que a Igreja “está a viver um envelhecimento, com sinais de cansaço e de resignação pastoral, de introversão eclesial, de timidez no testemunho evangélico, de falta de coragem para experiências novas”, o Bispo diocesano defende o “voltar às fontes” para atingir a desejada “renovação”, centrada em “três verbos-chave no pontificado de Francisco: sair, escutar e festejar”.

Assim, em primeiro lugar, é preciso “uma Igreja em saída” e “cada vez mais próxima das necessidades das pessoas, também dos mais afastados que se sentem postos à margem, uma Igreja próxima das famílias em dificuldade, próxima dos jovens, dos pobres e dos feridos da vida”. Esse é o “estilo pastoral” defendido pelo Papa e que D. António Marto quer adotar: “sentir solicitude para com todos e ir ao seu encontro como o bom samaritano, que não passa ao lado, mas se aproxima e cuida do homem caído, ferido e descartado”. Uma Igreja que “não espera que a gente venha, mas vai procurá-la onde ela vive para escutar e dialogar, abençoar e encorajar, partilhar as suas alegrias e esperanças, tristezas e angústias, perplexidades e dúvidas, interrogações e aspirações”. A celebração cuidada do Dia Mundial dos Pobres, a 19 de novembro, será uma das propostas, bem como um maior acompanhamento das experiências missionárias que partem da Diocese, como é o caso da missão na diocese geminada do Sumbe, em Angola.

O segundo verbo – escutar – implicará “a familiaridade com a Palavra de Deus”, pois “só quem se coloca primeiro à escuta da Palavra é que pode depois tornar-se seu anunciador”. Para isso poderão contribuir iniciativas como a “lectio divina”, a oferta massiva do livro dos Atos dos Apóstolos em edição de bolso e o Retiro Popular na Quaresma. Implica, também, “escutar o Espírito”, promovendo o enriquecimento da vida espiritual, bem como escutar o outro, “como expressão de relação fraterna feita de atenção, de acolhimento, de disponibilidade, de diálogo, de partilha de alegrias e dores”. Este é “um aspeto urgente numa sociedade de relações fugidias e frágeis, de solidões, de abandonos, de incompreensões e tensões, de descartáveis e excluídos”, refere o Bispo, propondo o combate à indiferença com uma “cultura do encontro e da comunhão”. Concretamente, pensar em serviços locais de “acompanhamento e aconselhamento espiritual” que contribuam para que cada comunidade cristã seja “casa da fraternidade, onde todos e cada um se sinta acolhido, escutado, respeitado, compreendido, amado, acompanhado, perdoado, ajudado e encorajado a viver a vida boa do Evangelho”.

Por fim, festejar. “A Igreja em saída missionária deve redescobrir a importância da dimensão festiva para a vivência da fé e para a evangelização”, escreve D. António, colando-se à exortação do Papa Francisco de evitarmos ser cristãos de “Quaresma sem Páscoa” ou com permanente “cara de funeral”. Este será um ano para promover “celebrações sacramentais em que festejamos particularmente a presença próxima de Cristo ressuscitado e os seus dons sacramentais”, tendo o domingo como centro, mas também “nas expressões da piedade popular, nas atividades pastorais, em várias situações significativas da comunidade cristã e da vida pessoal e familiar (aniversário, matrimónio, novo nascimento, uma despedida, uma nova chegada)”. Também as “festas religiosas populares em honra dos padroeiros das comunidades cristãs” deverão ser repensadas neste objetivo de manifestar “sempre melhor a alegria da fé e da fraternidade humana e cristã”. Neste ano pastoral, um momento especialmente rico, a nível diocesano, será a grande Festa da Fé, de 15 a 17 de junho, em Leiria.

O 15.º e último ponto da carta pastoral aponta alguns “traços da paróquia numa Igreja em saída”, plasmados do discurso do Papa Francisco aos participantes na Assembleia Pastoral Diocesana de Roma, em 2014. Resumindo, pede-se que a paróquia: “saiba acolher com sentimentos maternos, mostre sempre ternura com todos, cultive a memória de povo de Deus, saiba olhar o futuro com esperança, trate os homens com a paciência que permite suportar-se um ao outro, tenha um coração de imensa abertura, possua a doçura do olhar de Jesus, tenha maternalmente a porta sempre aberta a todos, seja capaz de falar as linguagens dos jovens, se empenhe em estar próxima das crianças e dos jovens que sofrem a orfandade, que não têm um modelo de família, esteja em condições de captar nos diversos ambientes de vida (desporto, novas tecnologias, etc.) as possibilidades de anunciar o Evangelho, seja audaciosa em explorar sempre novos caminhos, novas linguagens e abordagens para difundir o anúncio da salvação, tenha párocos próximos da gente, dispostos a responder e a fazer-se próximos em qualquer momento de necessidade, crie, dentro de si e para além de si, o sentido da gratuidade”.

É este o programa a concretizar em 2017-2018 pelas comunidades paroquiais e pela Diocese “com os seus múltiplos movimentos, comunidades, serviços e instituições”.

 

Documento e anexos

A carta pastoral será, entretanto, apresentada em livro e poderá, desde já ser lida e descarregada neste portal.

O documento inclui, ainda, em anexo alguns tópicos importantes para a programação pastoral, como seja um programa de atividades e uma lista de datas marcantes, com especial destaque para as peregrinações vicariais à Sé.

Deixamos para último a referência à oração que o Bispo nos apresenta para este ano pastoral, a fechar a sua carta, a que passamos a transcrever:

Oração para o ano jubilar

Nós Vos louvamos ó Deus, nós vos bendizemos, Senhor,
pela nossa Igreja diocesana e pelo amor com que a conduzistes
ao longo destes cem anos após a sua restauração.
Nós Vos damos graças pelos dons com que a agraciastes,
pelas tantas testemunhas de fé, amor e santidade que nos precederam.
Humildemente Vos pedimos perdão pelos nossos pecados,
que ofuscam a beleza da Vossa Igreja.
Dai à nossa Diocese e suas comunidades um espírito missionário
capaz de despertar o entusiasmo da fé
e de suscitar vocações laicais, sacerdotais e à vida religiosa.
E Vós, ó nossa Mãe e Padroeira, Senhora de Fátima,
abençoai esta vossa Diocese
e guiai-nos no caminho que conduz até Deus
e ao encontro dos irmãos sobretudo dos mais frágeis e pobres.
Ajudai-nos, ó Mãe, a ser fermento do Evangelho da alegria e da misericórdia
nesta nossa terra por Vós tão amada!

 

 


À venda em livro

A carta Pastoral está à venda em formato de livro, na Gráfica de Leiria e na Livraria do Santuário de Fátima, ao preço de 1 euro por exemplar, com possibilidade de descontos para aquisição de mais de 50 exemplares, mediante reserva.

A partir da Assembleia Diocesana, estarão também disponíveis as pagelas com a oração do ano e um desdobrável informativo sobre a Diocese, com o mapa das vigararias e das paróquias, materiais que serão distribuídos gratuitamente.

 

Correção na Carta Pastoral

Por lapso, no n.º 12 da carta pastoral “A Alegria de ser Igreja em missão”, indica-se “o Dia Mundial dos Pobres a celebrar no último domingo do ano litúrgico, festa de Cristo Rei, que este ano ocorrerá a 19 de novembro”. O correto será “o Dia Mundial dos Pobres a celebrar no penúltimo domingo do ano litúrgico, o XXXIII do Tempo Comum, que este ano ocorrerá a 19 de novembro”.

O texto já está corrigido nas versões digitais, mas saiu com este erro na versão em livro. De qualquer forma, está correta a indicação da data de 19 de novembro.

 

 

Partilhar:





Contactos

 

Serviços Gerais da Diocese


R. Joaquim Ribeiro Carvalho, 2 
2410–116 Leiria

Tel.: 244 845 030
Fax: 300 013 266

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Siga-nos

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Liturgia Diária



© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados

© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados